sexta-feira, março 28, 2008

PF: inteligência, investigação e carreira a partir da Amazônia





PF prioriza a Amazônia
Edson Luiz - Da equipe do Correio
MUDANÇAS

Todos os agentes e delegados serão obrigados a passar pelo menos três anos na região. Área de crimes cibernéticos também ganhará reforço

A Polícia Federal vai passar a dar prioridade à luta contra os crimes cibernéticos e relacionados a drogas sintéticas, considerados como delitos do século 21. Além disso, 17 regiões na fronteira brasileira ganharão atenção especial nos próximos 15 anos. A partir de agora, todos os agentes e delegados recém-formados deverão passar pelo menos três anos da carreira na Amazônia — como estímulo, terão um acréscimo salarial de 20% em relação aos colegas que atuam em outros centros. A direção da PF pretende construir vilas de casas próximas às delegacias do interior para abrigar seus agentes e vai incentivar também servidores antigos a aceitar lotações em estados da Região Norte. As medidas, que fazem parte do plano estratégico da PF, deverão ser adotadas já em 2008 e deverão ser revistas somente em 2022.
"Estar na Amazônia não é um castigo", afirma o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa. "Vamos dar uma gratificação por essa lotação e incentivar outros policiais mais antigos a ir para a região, onde darão suporte ao trabalho dos mais novos", acrescenta Corrêa, anunciando que a PF já fez uma seleção interna para escolher quem será transferido, e hoje pelo menos 40 delegados e agentes estão aptos a mudar para a Amazônia.
A PF já tem um planejamento para construir novas superintendências no Rio de Janeiro, Maranhão, Acre e Paraíba e delegacias na região de fronteiras. Além disso, os policiais lotados na Amazônia terão moradias, já que a PF fará vilas construídas com madeira apreendida.
No plano estratégico, a Polícia Federal pretende fazer readequações para fortalecer a atuação nos próximos 15 anos. Uma delas é mudar o perfil dos laboratórios da organização. O avanço dos crimes financeiros e de pedofilia praticados pela internet fez com que a área de delitos cibernéticos seja reforçada. A mesma atenção será dada aos crimes envolvendo drogas sintéticas, que hoje se tornaram uma das principais preocupações, por causa do aumento no volume de apreensões, principalmente de ecstasy e skank (um tipo de maconha aditivada).
A PF pretende utilizar melhor seus técnicos que atuam na carreira policial. "Temos cerca de 300 mestres e doutores em várias áreas", avalia Corrêa, que vai usar a qualificação como meio de ascensão do servidor. Para crescer na carreira, cursos de graduação ganham valor — serão dados inclusive na própria Academia Nacional de Polícia (ANP), que ganhou status de universidade e aguarda autorização do Ministério da Educação para atuar como instituição de mestrado. "Queremos que até 2022 a PF seja uma referência mundial em segurança pública", afirma o diretor-geral.


As mudanças

Crimes
As questões ambientais, principalmente as relacionadas à Amazônia, terão atenção especial. A Polícia Federal também vai avançar no combate aos crimes cibernéticos, por causa da pedofilia, e às drogas sintéticas e de laboratórios.

Salários
Todo o policial federal terá que passar obrigatoriamente três anos na Amazônia, como acontece hoje com as Forças Armadas. Eles terão 20% de reajuste salarial como forma de abono. Além disso, agentes e delegados antigos estão sendo incentivados a trabalharem na fronteira. Depois disso, eles escolhem a lotação para a qual gostariam de ser nomeados.

Imigração
Informatizar todo o sistema de imigração, unindo os bancos de dados de todas as polícias com Infraero, Agência Nacional de Avião Civil (Anac), portos, aeroportos e empresas aéreas e de transporte terrestre de passageiro. O estrangeiro que entrar no Brasil, por exemplo, será monitorado em todas suas movimentações.

Policiais
A PF quer fortalecer a formação do policial. Com isso, as graduações e promoções dependerão do grau de formação. Doutores e mestres serão reaproveitados na Academia Nacional de Polícia e Instituto Nacional de Criminalística.

Academia
Será transformada em uma espécie de universidade, conforme projeto no Ministério da Educação, que torna os cursos equivalentes a mestrados.

Fonte: Correio Braziliense

2 comentários:

ciany disse...

oi
eu tenho 22 anos..
tenho um grande interesse..
por essa area de investigação..
gostaria de saber..
como posso fazer um curso de
investigação por conrrespondencia..
pois eu sou muito ocupada..
nu momento, to pensando em fazer o concurso da policia militar..
mas meu interesse e ...
realmente ..
por favor me der algum palpite..
obrigada..
por sua atenção.

barone2009 disse...

"Tenho um grande sonho de prestar concurso para a Polícia Federal,há muito tempo que esse desejo surgiu na minha vida,desde quando estava conluindo o Segundo Grau."Assisto todas as reportagens que envolve essa instituição,espero que o próximo concurso seja a nível de Segundo Grau...